Free Joomla Templates by iPage Hosting

Memória das Vítimas do Holocausto

O Agrupamento de Escolas de Amares assinalou a Memória das Vítimas do Holocausto com um vasto conjunto de actividades. No dia 27 de janeiro, Dia Internacional de Memória das Vítimas do Holocausto realizou-se uma Sessão de Abertura desta efeméride, com a abertura de das exposições Contai aos vossos pais, de trabalhos dos alunos, de trabalhos do Atelier de artes e de uma exposição bibliográfica.

Na ocasião, o Diretor do Agrupamento, Pedro Cerqueira, assinalou a importância de recordar um dos períodos mais negros da história da Europa e que não pode ser esquecido. Na ocasião, foi lida uma mensagem de Esther Mucznik, Presidente da MEMOSHOÁ - Associação Memória e Ensino do Holocausto e vice-presidente da Comunidade Israelita de Lisboa. Na sua mensagem felicitou o Agrupamento de Escolas de Amares na pessoa do seu Director, de todos os professores e alunos empenhados na organização desta Semana pela importante iniciativa de comemorar este dia tão simbólico e pelo excelente programa previsto, desejando sucesso para a iniciativa. A sessão contou ainda com um momento musical protagonizado por alunas da escola. Seguiu-se uma conferência subordinada ao tema "As relações entre o Estado Novo e o Terceiro Reich antes e durante o Holocausto", proferida pelo Prof. Dr. Mário Matos, docente do Instituto de Letras e Ciências Humanas, da Universidade do Minho. Na conferência este investigador explicou as relações entre o regime salazarista e o regime nazi, desmistificando a ideia de um Portugal «orgulhosamente só» e de um país de «brandos costumes» adverso aos ventos extremistas que sopravam do resto da Europa, posicionamento que durante a II Guerra Mundial se configuraria sob a forma de uma ambígua «neutralidade não beligerante».

Nos dias seguintes realizaram-se diversas actividades como um ciclo de cinema sobre o tema do Holocausto, um fórum de leitura e ainda uma oficina de pintura orientada pelo pintor Alberto péssimo. Numa perspetiva interdisciplinar, coordenada pela Biblioteca escolar, com o contributo de diferentes saberes – História, Português, Filosofia, Psicologia, Inglês, Francês, Artes – o Agrupamento de Amares quer projetar o estudo do Holocausto na comunidade, educar para a cidadania, para que a memória não se apague e a História não se repita.